JASON BOURNE

JASON BOURNE

JULIETA

JULIETA

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O CINEMA NIGERIANO NAS TELAS DA CAIXA CULTURAL RIO



Mostra "Nollywood - O Caso do Cinema Nigeriano"
reune 12 filmes inéditos no Brasil e quatro mesas de debates com convidados internacionais.


A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 06 a 18 de novembro, a mostra “Nollywood – O caso do cinema nigeriano”, com uma seleção de 12 filmes produzidos em Nollywood, a indústria cinematográfica da Nigéria, que em 2012 celebra oficialmente vinte anos. Todos os filmes são inéditos no Brasil, selecionados pelos curadores Maria Pereira e Bond Emeruwa.

A programação fornece ao público um panorama histórico das expressões e práticas de Nollywood, desde o clássico “Living in Bondage” até “Tango With Me” - grande produção recentemente em cartaz no circuito nigeriano e europeu -, e traz alguns de seus profissionais mais expoentes para mesas de debates na CAIXA Cultural.

“Na escolha dos títulos, uma lista de dificuldades, a começar pelo desafio de eleger 12 filmes de uma cinematografia vastíssima e inédita no Brasil. Foram pré-selecionados 35 filmes a partir de sua relevância na história de Nollywood, seja pelo êxito comercial alcançado, debate que foi capaz de provocar na sociedade ou pela notoriedade obtida internacionalmente. Para este olhar histórico foram considerados três grandes períodos. Momentos que, segundo profissionais nigerianos e estudiosos sobre o tema, marcam propostas estéticas e estruturas de produção e distribuição da indústria: 1992-98 (conhecida como “The Beggining” ou “Classics VHS”); 1999-2007 (nomeada como o Boom); e 2008 até o presente (chamada de Nollywood Now ou New Nollywood)”, explica a curadora Maria Pereira.





No período de 14 a 17 de novembro (quarta-feira a sábado), sempre às 19h, acontecem os debates com diretores dos filmes programados e especialistas como Zeb Ejiro, Kunle Afolayan, Mahmood Ali-Balogun, Marco Aurélio Marcondes, Julia Levy, Jonathan Haynes, além do curador Bond Emeruwa, cineasta e produtor nigeriano, também presidente da Associação de Cineastas de Nollywood. Entre os temas em pauta, o contexto de realização e difusão de Nollywood, sua projeção na continente africano e caminhos possíveis para o cinema brasileiro inspirados na experiência nigeriana.



Nollywood

Datada a partir do lançamento de “Living in Bondage” (1992), de Chris Obi Rapu, a indústria cinematográfica nigeriana vem fazendo juz ao seu nome de batismo “Nollywood”, conquistado a partir do estouro vivenciado no início deste século. Desde a pesquisa realizada pela UNESCO em 2006, o número de produções filmográficas na Nigéria duplicou. Hoje, a indústria supera as historicamente dominantes Hollywood e Bollywood com seus mais de 1500 longas-metragens por ano, emprega milhares de profissionais e corresponde a cerca de 90% do consumo cinematográfico nacional.

Realizados em poucos dias e com equipamentos simples (atualmente todos digitais), os filmes se mostram um bom negócio: o custo de produção é baixo (entre 4 mil e 100 mil dólares), os pontos de venda são muitos e o público é vasto e assíduo. Com mais de 50% das obras em inglês, os filmes da Nigéria conquistam ainda milhares de espectadores ao redor da África e vêm inspirando um outro cinema possível e sustentável a países com baixa estrutura econômica e tecnológica, como Gana, Quênia, Uganda e Mali.  

A estrutura desenvolvida não acompanha, porém, até o momento, a organização e preservação das obras, dificultando o acesso do público a filmes que já saíram do mercado. No Brasil, nenhuma produção chegou ainda no circuito comercial e o caso de Nollywood é desconhecido pela maioria. Por este motivo, a mostra é uma oportunidade especial para conferir alguns dos filmes e profissionais que marcam uma das principais indústrias de cinema da atualidade.

Programação:

Terça-feira – 06/11
15h30: Living in Bondage (Diretor Chris Obi Rapu, 1992, 120 minutos, 14 anos)
18h: This is Nollywood (documentário, Diretor Franco Sacchi, 2007, 55 minutos, Livre)

Quarta-feira – 07/11
15h30: Ti Oluwa Ni (Diretor Tunde Kelani, 1993, 110 minutos, 10 anos)
17h30: Mortal Inheritence (Diretor: Andy Amenechi, 1995, 110 minutos, 10 anos)

Quinta-feira – 08/11
15h30: Domitilla (Diretor Zeb Ejiro, 1996, 106 minutos, 18 anos)
17h30: Issakaba (Diretor Lancelot Ouduoa Imasune, 2001, 96 minutos, 18 anos)

 Sexta-feira – 09/11
15h30: Aki na Ukwa (Diretor Amayo Uso Phullips, 2002, 86 minutos, Livre)
17h30: Ousofia in London (Diretor Kingsley Ogoro, 2003, 85 minutos, Livre)

 Sábado – 10/11
15h30: This is Nollywood (documentário, Diretor Franco Sacchi, 2007, 55 minutos, Livre)
17h30: Check Point (Diretor Bond Emeruwa, 2006, 110 minutos, 14 anos)

Domingo – 11/11
15h30: Tango with me (Diretor Mahmood Ali-Balogun, 2011, 110 minutos, 14 anos)
17h30: Emotional Crack (Diretor Lancelot Imasuem, 2003, 120 minutos, 14 anos)

Terça-feira – 13/11
15h30: Ti Oluwa Ni (Diretor Tunde Kelani, 1993, 110 minutos, 10 anos)
17h30: The Figurine: Araromire (Diretor Kunle Afolayan, 2009, 120 minutos, 14 anos)

Quarta-feira – 14/11
15h: Domitilla (Diretor Zeb Ejiro, 1996, 106 minutos, 18 anos)
17h: Mortal Inheritence (Diretor: Andy Amenechi, 1995, 110 minutos, 10 anos)
19h – Debate: “Nollywood no contexto do cinema africano”
Debatedores: Jonathan Haynes e Bond Emeruwa
20h30 / 21h30: Coquetel + DJ Rajão

Quinta-feira – 15/11
15h / 16h30: Aki na Ukwa (Diretor Amayo Uso Phullips, 2002, 86 minutos, Livre)
17h / 18h40: Issakaba (Diretor Lancelot Ouduoa Imasune, 2001, 96 minutos, 18 anos)
19h: Debate: “Nollywood: discursos e formas estéticas”
Debatedores: Kunle Afolayan e Jonathan Haynes

Sexta-feira – 16/11
15h30: Ousofia in London (Diretor Kingsley Ogoro, 2003, 85 minutos, Livre)
17h30: This is Nollywood (documentário, Diretor Franco Sacchi, 2007, 55 minutos, Livre)
19h: Debate: “Contexto de realização e distribuição do cinema nigeriano”
Debatedores: Mahmood Ali-Balogun e Zeb Ejiro

Sábado – 17/11
15h: Check Point (Diretor Bond Emeruwa, 2006, 110 minutos, 14 anos)
17h: Tango with me (Diretor Mahmood Ali-Balogun, 2011, 110 minutos, 14 anos)
19h: Mesa redonda: “Cinema brasileiro: outros mundos possíveis”
Debatedores: Marco Aurélio Marcondes; Julia Levy; Bond Emeruwa; Mahmood Ali-Balogun; Zeb Ejiro; Kunle Afolayan

Domingo – 18/11
15h: The Figurine: Araromire (Diretor Kunle Afolayan, 2009, 120 minutos, 14 anos)
17h30: Living in Bondage (Diretor Chris Obi Rapu, 1992, 120 minutos, 14 anos)

Serviço:
Mostra “Nollywood – O caso do cinema nigeriano”

Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Cinema 2
Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro (Metrô: Estação Carioca)
Datas: de 06 a 18 de novembro de 2012
Telefone: (21) 3980-3815
Ingressos: R$ 2,00 (inteira) e R$ 1,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia.
Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 10h às 20h
Lotação: 80 lugares (mais 3 para cadeirantes)
Acesso para pessoas com deficiência
Classificação: Consultar classificação por filme
Patrocínio: Caixa Econômica Federal e Governo Federal


Site da Mostra: 

Programação completa da CAIXA Cultural: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário