JASON BOURNE

JASON BOURNE

JULIETA

JULIETA

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

CRÍTICA: ANIMAIS FANTÁSTICOS E ONDE HABITAM


Após o fim da saga bilionária de Harry Potter, com “Relíquias da Morte – Parte 2”, milhões de fãs ao redor do planeta levantaram a seguinte questão: Será que acabou a magia? A resposta é não. Isso por que, em 2013, a Warner Bros. anunciou a adaptação de “Animais Fantásticos e onde habitam” para os cinemas, o que fez com que fosse reacendida uma chama de esperança para os aficionados no universo mágico de J.K. Rowling.

Esse novo filme (Originalmente seria uma trilogia, mas serão cinco longas) se passa na América dos anos 20, num período conturbado, por conta do Pós-Guerra e precedendo a Grande Depressão. Nesse contexto, o bruxo inglês Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à Nova York com uma mala repleta de animais mágicos que estão ameaçados de extinção e, paralelo a isso, estranhos acontecimentos ocorrem na cidade.

A história se passa antes dos eventos da Escola de Hogwarts, então não se pode dizer que é uma continuação da saga, pois Harry Potter e Alvo Dumbledore são somente citados no filme.

Com direção de David Yates, responsável pelos 4 últimos filmes do Harry Potter, “Animais Fantásticos e onde habitam” consegue manter o equilíbrio entre comédia e terror graças, também, ao ótimo roteiro, assinado por quem mais entende desse universo: A própria idealizadora do livro, J.K. Rowling. Aliado a isso, a reconstituição de época e fotografia são impecáveis, com predomínio do cinza, justamente para dar um ar mais sombrio, remetendo aquela época um tanto controversa com muita competência.

Outro ponto forte foi a escolha acertada do elenco, em especial Eddie Redmayne como o Sr. Scamander, que dá um ar ingênuo ao personagem, já que sua preocupação, a princípio, era proteger os animais presentes naquela famigerada mala, se tornando um despretensioso herói. Além dele, a intérprete de Tina (Katherine Waterston) e sua irmã Queenie Goldstein (Alison Sudol), que tem o poder de ler a mente das pessoas, estão muito bem em seus respectivos papéis. Mas quem se destaca como o grande nome do filme (Não querendo ofuscar o protagonista) é o intéprete de Jacob Kowalski (Dan Fogler), o Não-Maj (Versão americana de “Trouxa”), responsável pelos momentos mais hilários da história.


Por fim, podemos notar o fôlego ainda presente de J.K.Rowling para nos encantar com histórias mágicas e que não são superficiais. Certamente essa saga será um alento para milhares de fãs carentes pelo fim da era Harry Potter. Aguardemos mais novidades dessa incrível escritora.

Trailer

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

OLÁ! BEM VINDO AO CINEMA PARA SEMPRE !

Depois de 5 anos na plataforma de Blogger, O Cinema Para Sempre se tornou um site moderno, onde  você pode encontrar as informações que estava habituado no blog e algumas sessões a mais.

Vamos poder atender melhor o universo da sétima arte com mais espaços. Sua visita é muito importante para todos nós da equipe. Deixe seus comentários, sugestões e o que você gostaria de ler na nova versão do Cinema Para Sempre. Se preferir, pode nos enviar um e-mail e responderemos o mais breve possível. 

Estamos agora com novo endereço: 


Contato
e-mail: cinemaparasempre@yahoo.com.br


sábado, 29 de outubro de 2016

FESTIVAL VARILUX DE CINEMA FRANCÊS ESTARÁ EM CARTAZ ATÉ DIA 22 DE JUNHO

Por: Juliana Meneses

Hoje é comemorado o dia do livro, a literatura nos presentea com obras muito ricas de histórias que nos entretem, emocionam e inspiram. O cinema recria essas obras no mundo audiovisual fazendo nosa experiência ser ainda mais dinâmica. Confira a lista que separamos de livros adaptados para o cinema:



Harry Potter
A obra de J. K. Rowling além de fazer um enorme sucesso nos livros, também acumulou recordes de bilheterias nos cinemas. A história do menino órfão que morava com os tios e descobre que é bruxo, e vai estudar na escola de magia e bruxaria de Hogwarts é uma das mais queridas entre todas as idades. Harry ao lado de seus amigos Rony e Hermione, enfrenta figuras mitológicas, mistérios, conspirações e o tão temido Lord Voldemort.

São sete livros e oito filmes, um baseado em cada livro sendo que o último foi dividido em duas partes.



Entrevista com Vampiro

Baseado no livro de Anne Rice, Entrevista com o Vampiro é considerado por muitos o melhor filme de vampiros da história. Trás a história de Louis,um homem transformado em vampiro por Lestat, no século XVIII, e que passa sua existência em busca de algo que justifique sua condição de imortal a qual considerada uma maldição.




A menina que roubava livros

A trama é contada de uma perspectiva muito interessante, como se a própria morte nos contasse a história de vida de uma menina alemã no auge da segunda guerra mundial, a morte tem um interesse especial pela vida da menina que carregava um bom coração.  A adaptação do livro do australiano Markus Zusak nos mostra todo o sofrimento do povo pobre de Alemanha durante a guerra. Uma história muito emocionante, com algumas pitadas de humor e sarcasmo, mostra como o amor entre as pessoas é algo belo.




O Poderoso Chefão

A história da família de mafiosos Corleone é baseada no livro homônimo de Mario Puzo e é dirigido por Francis Ford Coppola, o filme traz no elenco estrelas como Marlon Brando e Al Pacino. Uma história rica de muito detalhada, vai revelando aos poucos cada acontecimento na máfia napolitana. Os Corleones brigam pelo território e poder frente a outras famílias de mafiosos. Todos os filmes da trilogia são de uma qualidade excepcional.



Orgulho e Preconceito

Cinco irmãs Bennet, Elizabeth (Keira Knightley), Jane (Rosamund Pike), Lydia (Jena Malone), Mary (Talulah Riley) e Kitty (Carey Mulligan) devido ao fato de serem de uma família humilde, sempre ouviram de sua mãe que o importante era que elas casassem com bons partidos para terem o futuro assegurado. Porém Elizabeth não queria apenas isso para si, sendo apoiada pelo pai. Quando o sr. Bingley, um solteiro rico, muda-se para uma mansão vizinha, as irmãs logo ficam agitadas. Jane vê-se interessada pelo vizinho e tudo parece que ele também teria interesse por ela, em paralelo Elizabeth conhece o bonito e esnobe sr. Darcy que por sua postura, ela logo cria certa antipatia por ele, porém com encontros cada vez mais frequentes, Elizabeth e Darcy desvendam juntos o turbilhão de sentimentos que os cercam.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

CRÍTICA: O LAR DAS CRIANÇAS PECULIARES


Após um período carente de produções que não estavam condizendo com sua competência e criatividade (Seu último grande filme foi Sweeney Todd – O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet), Tim Burton - finalmente -faz as pazes com o grande público, ao adaptar para o cinema um dos livros mais vendidos do planeta, “O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares”.

O filme conta a história de Jake, interpretado por Asa Butterfield, um menino que sofre de bullying em demasia, e tem uma relação de muita ternura com seu avô, Abe (Terence Stamp), que contava insistentemente histórias sobre o tal orfanato da Srta. Peregrine, fazendo com que seu neto acreditasse piamente na existência desse lar para crianças especiais (Aqui cuidadosamente chamada de “Peculiares”). Só que, após a morte bizarra de seu avô, Jake passará a investigar os motivos e descobrirá que nada do que Abe disse era fruto de sua imaginação.

Visualmente falando, o longa tem a marca inconfundível de Tim Burton, que sabe perambular pelo mundo da fantasia como nenhum outro diretor. Fotografia impecável e efeitos visuais mirabolantes transformam o filme num deleite para os olhos e mostram que o diretor continua afiado no que diz respeito aos quesitos técnicos.

O que não ficou muito claro foi justamente o desenrolar da história, pois foca-se muito na parte técnica e deixa de lado a parte humana, ao explorar com pouca profundidade a relação fraternal entre Jake e seu avô, Abe. Outro ponto negativo foi o elenco em si, já que não houve uma sintonia entre os personagens, à exceção de Samuel L. Jackson, que está muito bem no papel do vilão canastrão Barron e, claro, a excelente Eva Green, como a intérprete da Srta. Peregrine, personagem-título.

Salvo esses deslizes, podemos esperar uma obra inspirada, que enterra, de uma vez por todas, o longo período de produções duvidosas de Tim Burton. Vamos esperar os próximos filmes pois, certamente, se tornará uma franquia e, talvez, mais um clássico do cinema.



Trailer


CRÍTICA: O LAR DAS CRIANÇAS PECULIARES


Após um período carente de produções que não estavam condizendo com sua competência e criatividade (Seu último grande filme foi Sweeney Todd – O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet), Tim Burton - finalmente -faz as pazes com o grande público, ao adaptar para o cinema um dos livros mais vendidos do planeta, “O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares”.

O filme conta a história de Jake, interpretado por Asa Butterfield, um menino que sofre de bullying em demasia, e tem uma relação de muita ternura com seu avô, Abe (Terence Stamp), que contava insistentemente histórias sobre o tal orfanato da Srta. Peregrine, fazendo com que seu neto acreditasse piamente na existência desse lar para crianças especiais (Aqui cuidadosamente chamada de “Peculiares”). Só que, após a morte bizarra de seu avô, Jake passará a investigar os motivos e descobrirá que nada do que Abe disse era fruto de sua imaginação.

Visualmente falando, o longa tem a marca inconfundível de Tim Burton, que sabe perambular pelo mundo da fantasia como nenhum outro diretor. Fotografia impecável e efeitos visuais mirabolantes transformam o filme num deleite para os olhos e mostram que o diretor continua afiado no que diz respeito aos quesitos técnicos.

O que não ficou muito claro foi justamente o desenrolar da história, pois foca-se muito na parte técnica e deixa de lado a parte humana, ao explorar com pouca profundidade a relação fraternal entre Jake e seu avô, Abe. Outro ponto negativo foi o elenco em si, já que não houve uma sintonia entre os personagens, à exceção de Samuel L. Jackson, que está muito bem no papel do vilão canastrão Barron e, claro, a excelente Eva Green, como a intérprete da Srta. Peregrine, personagem-título.

Salvo esses deslizes, podemos esperar uma obra inspirada, que enterra, de uma vez por todas, o longo período de produções duvidosas de Tim Burton. Vamos esperar os próximos filmes pois, certamente, se tornará uma franquia e, talvez, mais um clássico do cinema.



Trailer


terça-feira, 2 de agosto de 2016

DIVULGADO PRIMEIRO TRAILER DE LIGA DA JUSTIÇA


O Longa tem estreia prevista para 16 de novembro de 2017


Com direção de Zack Snyder, (300 e Batman vs Superman: A origem da justiça), o filme conta com Mulher Maravilha (Gal Gadot), Super-Homem (Henry Cavill), Batman (Ben Affleck), Aquaman (Jason Momoa), Flash (Ezra Miller) e Cyborg (Ray Fisher) como um grupo formado pelo homem morcego para combater o mal.
Trailer

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

DIVULGADO PRIMEIRO TRAILER DE "MULHER MARAVILHA"

O longa tem estreia prevista para 01 de julho de 2017



A atriz Gal Gadot protagoniza o filme que tem estreia prevista para o dia 1º de junho do ano que vem, e também está no elenco de Liga da Justiça" onde ele luta contra o mal ao lado do Super-Homem (Henry Cavill), Batman (Ben Affleck), Aquaman (Jason Momoa), Flash (Ezra Miller) e Cyborg (Ray Fisher).
Trailer