JASON BOURNE

JASON BOURNE

JULIETA

JULIETA

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

APOIO AO GRUPO ESTAÇÃO!




Essa semana tomamos conhecimento desse fato triste para o cinema nacional. O grupo Estação tem grande  importância para o nosso cinema tanto nacional, quanto internacional. São os seis endereços que o grupo ocupa na zona sul, zona oeste e centro da cidade. Nos bairros de Botafogo, Ipanema, Gávea, Barra e Centro. Ao todo são 16 salas que abrigam filmes de arte, e o cinema vindo da Europa, Africa, Ásia, Oceania e Américas. Esses filmes em sua maioria não encontram espaço para exibição em grandes grupo de exibidores de circuito comercial.


Pessoas de todos os lados da cidade frequentam as salas para assistir  a esses filmes. 

Além disso, o Grupo Estação também organiza um dos mais importantes Festivais de Cinema do Mundo, o Festival do Rio, onde cineastas, atores, produtores, executivos de estúdios, distribuidoras, canais de TV, plataformas de internet tem a oportunidade de visitar nossa cidade e trocar experiências conosco. Durante os 10 dias de Festival a cidade respira cinema com filmes, debates, palestras, workshops, rodadas de negócios e Première dos principais filmes que concorrem ao prêmio Redentor, além das exibições especiais de abertura e encerramento.  O público tem a oportunidade de escolher quais filmes interessam mais em uma gama em média 400 filmes nos 10 dias de evento. O Festival do Rio virou um dos mais importantes eventos do país no calendário da cidade maravilhosa.

É missão de cada cinéfilo ajudar a preservar esse patrimônio da nossa cultura. Seja com patrocínio ou ideias, tudo é bem vindo para salvar um dos espaços mais importantes da nossa cultura.


Abaixo está na íntegra o texto   de Marcelo França Mendes postado no facebook. Quem quiser participar do grupo o link está abaixo:


FACEBOOK GRUPO APOIO AO GRUPO ESTAÇÃO




É importante que todos possam se mobilizar em ajudar a salvar o Grupo Estação que abriga a maioria dos filmes de diversos países do mundo que não tem espaço no grande circuito.
Grupo para tornarmos público nosso apoio a este momento difícil e crucial por que passa o Grupo Estação, responsável pela formação cinéfila do carioca. No dia 3 de abril baterá-se o martelo à respeito de sua falência ou permanência. Poucos dias para, aqui, entendermos o que se pode fazer para reverter o quadro, discutirmos sugestões, oferecermos o que possa ajudar. 


O grupo é aberto e quanto mais gente aqui, melhor. Convidem quem vocês acham que o Grupo Estação não pode acabar! 

A SITUAÇÃO, por Marcelo França Mendes, do grupo estação: 

"Em 2010, afundados em dívidas fitzcarraldianas pelo construção do Gávea e pelo beiço do Cesar Maia ao Festival do Rio de 2007, vendemos o Estação para um Fundo de Investimento. A esse Fundo cabia pagar as dívidas, fazer investimentos e, como é normal nesses casos, um salário mensal por determinado período para que ficássemos (os donos originais) à disposição. Encurtando, voltei um ano depois (janeiro de 2011) porque o Fundo não cumpriu nada que assinou e ainda duplicou as dívidas. Sem saída, pedi Recuperação Judicial. E nesses últimos três anos tenho lutado para manter abertas as salas enquanto aguardamos o juiz marcar a Assembleia dos Credores, ocasião em que nossa proposta de pagamento será votada. Se for aceita, ok. Se não for aceita, fechamos. Simples assim. A Assembleia finalmente será marcada e entre tantos dias no ano parece que o juiz escolheu a data de 3 de abril. Ou seja, no dia 3/4 de abril saberei se sou um empresário falido ou não. A vida é realmente muito estranha. Dia 3 de abril é meu aniversário, faço 49 anos de vida, 30 de Estação." 

A REPERCUSSÃO, por Marcelo França Mendes: 

Mais uma vez agradeço as manifestações carinho e apoio ao Estação. Incentivado pelos amigos, listei algumas ações que podem ajudar muito a resolver nossos problemas e que me parecem soluções razoáveis. Quem puder fazer algo, por favor faça. Lá vai (aceito comentários e sugestões):

NA PREFEITURA

1) Em SP, desde 2004 os cinemas de rua ou de galeria não pagam IPTU e têm descontos de ISS. Por que não temos o mesmo no Rio? Só o Odeon paga mais de 40 mil por ano, o Estação Rio, 70 mil. O Rio é uma das poucas cidades onde esses cinemas ainda são relevantes, não seria bom incentivá-los? 

2) O Estação tem dívidas de ISS. Adoraria pagá-las fazendo sessões gratuitas para escolas Municipais, por exemplo;

NO ESTADO

Basicamente o mesmo com relação ao ISS, o Estação também tem dívidas de ICMS. Mas aqui o negócio é complicada porque pela questão da venda para o Fundo de Investimento não ter dado certo, a Adriana Rattes (Secretária de Cultura) voltou a ser acionista do Estação. Então, penso que há um conflito. Desistimos da Laura Alvim justamente por isso, já que a Casa pertence ao Estado;

NA UNIÃO

1) O mesmo podemos fazer quanto aos impostos Federais. Podemos trocar por serviços de alguma natureza;

2) A ANCINE poderia rever questões quanto ao Prêmio Adicional de Renda. Ele poderia servir para digitalizar as salas, por exemplo, se o valor do prêmio fosse aumentado. Simples: os cinemas que exibirem X% de cinema brasileiro GANHAM os projetores no lugar de $$. Isso beneficiaria o próprio cinema brasileiro, que gastaria menos dinheiro para lançar seus filmes. O problema é que para receber o PAR a empresa tem que ter todas as certidões e é óbvio que uma empresa em Recuperação Judicial não as tem. Mas estamos falando de um prêmio, não de um financiamento ou patrocínio. O prêmio vem por ter feito uma contrapartida - que seria a exibição de Cine Brasileiro além da cota obrigatória. Tecnicamente, não dar o prêmio seria a mesma coisa que deixar de dar uma medalha para alguém por dever o imposto de renda. Uma medalha e um projetor é a mesma coisa, só muda o valor;

NO SETOR PRIVADO

Quem souber de alguma empresa que queira nos patrocinar, por favor, grite!

NÓS, PESSOAS COMUNS

Aqui não vão propostas, vão ideias pra trocar com vcs, ok?

1) Vcs acham que alguém pagaria para ter seu nome numa cadeira de um cinema do Estação? Isso não é uma inovação, vários lugares no Brasil e no mundo já fizeram. Poderíamos botar uma plaquinha com algo assim: "esse cadeira pertence a FULANO DE TAL e você está aqui graças a ele". Se acham que sim, quanto vcs acham que seria razoável? Temos mais de 3.000 cadeiras;

2) O Estação tem um acervo de mais de 500 cópias 35mm de filmes de Godard, Rohmer, Truffaut, Cassavettes, Ang Lee, Manoel de Oliveira e por aí vai. Estão guardadas fora das condições adequadas e estão se deteriorando. Já tentei achar instituições que comprassem e não consegui, ficaria feliz de achar uma boa instituição para doar. Mas como a situação tá feia, o que acham de colocar à venda para pessoas comuns, que pagariam o que achassem justo, condicionado a entrega a um arquivo de filmes que cuidasse delas. Seria algo do tipo: "Cópia pertencente a Coleção Estação, doada por FULANO DE TAL". O que acham?

3) Quanto vcs acham justo cobrar por mês para ter direito a ir ao cinema, com acompanhante, uma vez por semana?

Foi o que me ocorreu de ontem pra hoje. Outras sugestões são bem vindas.

É isso. Abs."

Nenhum comentário:

Postar um comentário